A região oeste do Paraná é rica em agronegócio, mas também é rica em belezas naturais. Na região, Foz do Iguaçu se destaca no setor turístico por abrigar as Cataratas do Iguaçu, Usina de Itaipu e diversos outros atrativos de lazer em meio à natureza. No entanto, cada vez mais vem sendo disseminado o turismo pelas cidades vizinhas, principalmente o turismo rural que vem ganhando forças graças a um intenso trabalho realizado pela Agência de Desenvolvimento Cultural e Turístico da Região Cataratas do Iguaçu e Caminhos ao Lago de Itaipu (Adetur).

“A Adetur Cataratas e Caminhos nasceu em 2012. Uma entidade sem fins lucrativos, e com sede física em Santa Helena. Ao longo desses nove anos foi se estruturando regionalmente e hoje atua em 19 municípios, de Santa Tereza do Oeste à Foz do Iguaçu, de Serranópolis do Iguaçu a Guaíra, um eixo bem interessante unindo a região pelo Lago de Itaipu e Parque Nacional do Iguaçu”, destaca a atual presidente da Adetur, Dagmar Cilene Pedrozo.

Monumento Nossa Senhora Aparecida - Itaipulandia
Monumento Nossa Senhora Aparecida – Itaipulândia. (Foto: Arquivo Adetur)

ADETUR

A Adetur é a Instância de Governança Regional, conforme estabelecido pelo Ministério do Turismo, através do Programa de Regionalização do Turismo e de uma lei estadual que define as regiões turísticas do Estado do Paraná. A Adetur herda do Fórum a missão de trabalhar para que a região turística planeje e decida seu próprio futuro, de forma participativa, organizada e respeitando os princípios da sustentabilidade econômica, ambiental, sociocultural e político-institucional. O que se busca é a estruturação e qualificação da região e de seus municípios, a fim de torná-los mais competitivos no turismo.

Ela é natural de Medianeira e tem formação em Turismo. Sempre foi funcionária pública e realizou um importante trabalho na cidade na área do turismo rural. “Comandei um trabalho de sensibilização turística, com o meio rural e isso despertou o turismo rural. Como o município é associado à Adetur, esse turismo rural levou a cidade de Medianeira a ganhar destaque na região”, ressalta.

Igreja da Pedra - Guaíra
Igreja da Pedra – Guaíra. (Foto: Ministério do Turismo)

Depois de se aposentar, abriu uma empresa de turismo, se associou à Adetur e desde 2020 faz parte da diretoria da entidade, trabalhando diretamente com os municípios na busca por conscientizá-los da importância de investir no turismo.

“A Adetur cuida para que todos os 19 municípios estejam trabalhando a gestão; e esses municípios são associados a Adetur. Além da gestão pública, empresas de iniciativa privada de natureza turística e terceiro setor; demais interessados também podem se associar. Nosso objetivo é trabalhar principalmente a gestão pública e a iniciativa privada para desenvolver o turismo na região”.

DAGMAR PEDROZO
Dagmar Cilene Pedrozo. Presidente Adetur
Dagmar Cilene Pedrozo. (Foto Priscila Rabaiolli)

No entanto, há um grande desafio em desenvolver o turismo nessas regiões, pois tirando Foz do Iguaçu, nenhum dos outros municípios tem o turismo como atividade principal.

Benefícios para os associados

A Adetur proporciona aos associados uma facilidade para qualificação, capacitação, consultorias e visibilidade. Elabora roteiros e busca divulgar esses destinos, fazendo a divulgação para as comunidades. Na pandemia, elaborou um protocolo para auxiliar as prefeituras e os empreendimentos associados. Também proporcionou capacitação online e auxiliou os associados a mexer com a internet. “O nosso papel é ser a ponte entre uma instituição que pode financiar projetos e os nossos associados”.

Cachoeira do Tio João em Matelândia
Cachoeira do Tio João em Matelândia. (Foto: Arquivo Adetur)

Entre as empresas associadas à Adetur, destacam-se os segmentos do: turismo rural, gastronomia, hospedagem, turismo agroecológico e pedagógico, turismo de natureza/aventura/ecoturismo, turismo de saúde e bem-estar, lazer e eventos, náutico e prestação de serviços. E todos precisam estar regularizados para poderem ser associados à Adetur. No site da Adetur é possível encontrar indicações de locais onde comer, onde dormir, o que fazer, o que comprar e agências e serviços.

Projetos da Adetur

Dagmar destaca que além do trabalho de conscientização e suporte técnico que os associados recebem, a Adetur também possui alguns grandes projetos. Um deles é a Rota Beira Parque que une Cascavel à Foz, por meio do Parque Nacional do Iguaçu, uma ligação feita através do cicloturismo, onde orientam os municípios para que cada um trabalhe seu trecho e juntos desenvolvam outras ações visando a integração do turismo.

Cicloturismo. Foto Clovis Froelich
Cicloturismo. (Foto Clovis Froelich)

Outro projeto visa ligar o Parque Nacional de Ilha Grande em Guaíra ao Parque Nacional do Iguaçu em Foz do Iguaçu, uma trilha de longo curso, no modelo de outras grandes trilhas que existem pelo Brasil. “Cada trecho terá um nome, por exemplo Rota da Fé, Rota dos Pioneiros… e aí os municípios serão responsáveis por roteirizar esses trechos, com sinalização, locais para pernoite, almoço, etc. Todos esses projetos já estão acontecendo. Nosso trabalho é desde a organização e construção disso tudo até auxiliar os municípios, identificando e sensibilizando a comunidade para que seja criado um local de visitação e suporte ao turista”.

Pesca Esportiva em Guaíra.
Pesca Esportiva em Guaíra. (Foto: Rogerio Vasconcellos)

Além disso, já existem: o Circuito Regional de Cicloturismo, que a cada mês é realizado em uma cidade – o foco é que esses ciclistas passem pelos empreendimentos turísticos, principalmente nas áreas rurais; e o turismo náutico, com o Ranking Regional de Pesca Esportiva, que também é muito forte na região devido aos balneários formados pelo Lago de Itaipu.

“Dentro da Adetur temos um planejamento estratégico dividido em quatro eixos: qualificação, roteirização, mercado e gestão. Hoje o foco maior é para os turistas regionais. Mas isso não impede que turistas de outras regiões do país visitem as cidades vizinhas e uma das formas é através de Foz do Iguaçu, que hoje é o destino indutor do turismo nacional e trinacional. Então, estudamos captar esse turista quando ele vier à Foz pela segunda ou terceira vez, porque aí ele já esgotou as visitas em Foz e poderá visitar outros atrativos nas cidades vizinhas. Mas, para que isso aconteça precisamos trabalhar cada vez mais a cabeça das pessoas do interior, para que elas vejam o turismo na cidade delas e incentivem as pessoas a visitar”.

dagmar pedrozo
Sitio da Marlene em Medianeira
Sitio da Marlene em Medianeira. (Foto: arquivo Adetur)

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras e recentemente conquistou pela 100fronteiras o primeiro lugar no 1º Prêmio Faciap de Jornalismo.

Comentários

Deixe a sua opinião