A primeira parte das obras do Aeroporto Internacional Cataratas, em Foz do Iguaçu (PR), que em menos de um ano pode se tornar um grande hub de distribuição da América do Sul, concorrendo com destinos do mundo inteiro, será concluída já em setembro.

Financiadas em boa parte pela usina de Itaipu, as melhorias no aeroporto foram incluídas no final da visita do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, à cidade-sede da usina, na manhã desta quarta-feira (12).

Para o ministro, essas e outras obras estruturantes fazem parte da missão ampliada da usina, que vão além da geração de energia limpa e renovável, pela qual Itaipu já é referência mundial.

“E essa missão está sendo muito bem cumprida”, disse Bento Albuquerque.

Esta etapa inclui a ampliação do pátio de manobras de aeronaves, a duplicação da via de acesso ao aeroporto e a implantação de uma nova pista para táxi. O projeto está sendo financiado em parceria pela Itaipu Binacional e a Infraero. A contrapartida da Itaipu nessa parte do projeto foi de R$ 15,5 milhões, equivalente a 76,87% do valor total do contrato.

O diretor-geral brasileiro da Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, que acompanhou o ministro durante a visita, afirmou que a passagem pelo aeroporto foi “a etapa final de uma visita muito satisfatória”.

“O ministro saiu com uma percepção muito superior àquilo que esperava encontrar. Todos os projetos estão em dia, alguns deles muito avançados, como este, do aeroporto. Ele levou uma visão muito favorável dos investimentos da Itaipu”, avaliou.

A visita fez parte da agenda do ministro em Foz do Iguaçu, que começou na noite de segunda-feira (10). Entre reuniões, apresentações e visitas à usina e às obras estruturantes capitaneadas pela binacional, Albuquerque debateu tendências do setor elétrico brasileiro, a atualização tecnológica da usina de Itaipu e os investimentos da empresa em projetos que, juntos, receberão aproximadamente R$ 1 bilhão em recursos da margem brasileira da hidrelétrica.

Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional.

Próxima etapa

A segunda parte do projeto, que inclui a ampliação da pista de pouso e decolagem em 600 metros, segue de acordo com o cronograma e já está com 40% das obras prontas. A entrega deve acontecer em abril de 2021. O investimento da Itaipu nesta etapa é de R$ 55,5 milhões, referentes a 80% do valor do contrato.

A usina investiu quase R$ 1 bilhão em obras estruturantes para preparar a cidade para os desafios que virão. Com isso, a cidade vem sendo dotada de nova infraestrutura, com a construção de mais uma ponte entre Brasil e Paraguai, melhorias no aeroporto para torna-lo capaz de receber voos de grande porte, construção do Mercado Municipal, modernização e ampliação do hospital criado e mantido pela empresa, que atende pelo SUS, duplicação da BR-469, rodovia estratégica para a mobilidade rodoviária da cidade, entre outras.

Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional.

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,7 bilhões de MWh. Em 2016, a usina brasileira e paraguaia retomou o recorde mundial anual de geração de energia, com a marca de 103.098.366 MWh. A hidrelétrica é responsável pelo abastecimento de aproximadamente 15% de toda a energia consumida pelo Brasil e de 90% do Paraguai.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião