O estado fecha o ciclo de 12 meses com 227.724 casos e 177 óbitos confirmados pela doença.

O acompanhamento de julho 2019 a julho 2020 publicou 43 boletins epidemiológicos, com registros de casos confirmados, notificados, óbitos e análises sobre os índices da doença nas regiões e cada município do estado.

Em relação ao período anterior entre 2018/2019, o aumento no número de casos confirmados foi de mais de 100%, quando o total de casos confirmados foi de 21.017.

“A doença segue como uma das maiores preocupações do estado”, disse o secretário da Saúde do Paraná”.

Beto Preto.

“Mesmo com a pandemia do novo coronavírus o Governo do Paraná não baixou a guarda no combate à dengue; estamos finalizando mais um ciclo, mas o monitoramento e as ações seguem em todo estado; os números são altos, existe uma epidemia de dengue e por isso reforçamos nosso apelo para a que população fique atenta e participe deste combate. A dengue pode ser evitada com a eliminação dos criadouros do mosquito transmissor da doença; pesquisas mostram que 90% dos focos estão nos domicílios e podem ser removidos prevenindo casos da doença e mortes”, afirmou Beto Preto.

Ações

Ainda no final de 2019, antes mesmo do início da temporada considerada como pico da transmissão da dengue, que é o alto verão, o Governo do Estado decretou alerta máximo contra doença. As ações de combate foram intensificadas e todos os setores públicos foram convocados a participarem do combate ao mosquito Aedes Aegypti com a criação do Comitê Intersetorial de Controle da Dengue no Paraná.

“Reforçamos as medidas de prevenção junto à população, implantamos a remoção técnica dos grandes criadouros com a participação de profissionais da Vigilância Ambiental da Sesa que se deslocaram até municípios mais afetados para esta eliminação, e realizamos oficinas de manejo clínico para os profissionais da linha de frente; foram trabalhos com resultados expressivos quando mais de 100 cidades apresentaram redução de casos autóctones”, ressalta o secretário da Saúde do Paraná.

Entre fevereiro a junho deste ano, o Governo do Estado fez o aporte de mais de R$ 7 milhões beneficiando 216 municípios nas ações de ações de combate à dengue.

Dados

Os dados que finalizam o período apontam 360.472 notificações em 374 municípos, abrangendo as 22 Regionais de Saúde do Estado.

Hoje, 244 cidades estão em situação de epidemia e 31 em alerta para a dengue.

O informe mostra que 22.70 casos seguem em investigação.

Em relação aos óbitos por dengue o aumento em relação ao boletim do período anterior é de cerca de 80%. Entre 2018/2019 foram 22 óbitos e agora são 177 mortes provocadas por dengue.

Desde o início do período a Sesa já alertava para a possibilidade de aumento expressivo de casos devido ao novo sorotipo da doença, o Den-2, que até então não circulava no estado. O fluxo do subtipo diferente fez com que as pessoas infectadas evoluissem para formas mais graves da dengue.

A validação do diagnóstico clínico para os casos confirmados de dengue, independente de exames laboratoriais, é apontada como outro fator significativo para o aumento do número de casos. A partir deste ciclo a Vigilância Epidemiológica passou a considerar o laudo médico já decisivo para confirmação de caso, sem a necessidade da realização de testes confirmatórios.

O boletim da Sesa monitora ainda as ocorrências de chikungunya e de zika vírus e confirmou 10 e 02 casos, respectivamente no período. As doenças também são provocadas pelo mosquito Aedes Aegypti.

Apesar do encerramento o período sazonal, a Secretaria da Saúde do Paraná informa que a consolidação de dados de 2019/2020 será feita no mês de novembro junto com o fechamento das informações do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião