Empresários e universitários já começaram a tirar as suas ideias do papel e transformá-las em projetos para concorrerem às 200 bolsas de inovação ofertadas pelo Programa Integração Universidade Empresa.

A ação integra o Programa Acelera Foz e tem como objetivo proporcionar o desenvolvimento de soluções para pequenas empresas e ainda diminuir a evasão dos universitários na cidade. Todas as dúvidas referentes à iniciativa poderão ser esclarecidas nesta sexta-feira (10), às 14h, durante um webinar aberto ao público (http://bit.ly/webinarIUE).

As bolsas, no valor de R$800 e duração de até 9 meses, serão custeadas pelo programa. Para participar, as empresas interessadas devem entrar em contato com uma das oito Instituições de Ensino Superior (IES) participantes para apresentar a sua proposta e juntos elaborarem um projeto até o dia 19 de julho. A IES fará a seleção dos alunos e dos professores para atuarem nas iniciativas. A relação das propostas aprovadas será divulgada no dia 23 de julho, com o início das atividades previsto para 5 de agosto.

O diretor do Del Rey Quality Hotel, Jaime Mendes, foi um dos empresários que “comprou” a ideia do programa. De acordo com Mendes, “a iniciativa é fundamental para a cidade, pois aproxima as empresas das universidades, e deve contribuir para que esses jovens conheçam a realidade das empresas de Foz do Iguaçu. Com isso conseguiremos ter um destino de turismo inteligente”, destaca.

“É a oportunidade para os acadêmicos colocarem em prática os conhecimentos adquiridos na universidade, sobretudo nesse momento em que estamos vivendo”, complementa.

Rodrigo Ciavaglia, diretor do Grupo Loumar Turismo, ressalta que “a iniciativa tende a beneficiar a cidade como um todo. Eu, como empresário, tenho a chance de buscar até três alunos, de cursos e habilidades diferentes para que venham aqui, pesquisem e entreguem soluções que possam me ajudar a resolver um problema ou ainda criando novas oportunidades”. Ciavaglia também lembra a importância do programa para o desenvolvimento dos acadêmicos. “Sabemos que muitos alunos se formam sem ter a vivência profissional necessária. Além disso, tem a questão financeira. Esses R$ 800 podem auxiliá-los a continuarem seus cursos”.

Para as instituições de ensino superior, o programa também deve ter um papel fundamental na luta contra a evasão dos estudantes neste período de pandemia.

Segundo Valdir Serafim Jr, diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) – Campus Foz, “a união entre as instituições de ensino, PTI-BR e Sebrae tira um pouco da angústia gerada pela pandemia (Covid-19) e proporciona aos acadêmicos e professores oportunidades práticas vinculadas ao tripé da Universidade (Ensino, Pesquisa e Extensão) voltadas às empresas locais impactadas pela crise”. Além disso, Serafim pontuou que a iniciativa “viabiliza uma ferramenta para as empresas retomarem as suas atividades e o desenvolvimento econômico, auxiliando nas decisões gerenciais, geração de emprego e renda”.

Além da Unioeste, fazem parte da iniciativa as seguintes instituições: Centro de Ensino Superior de Foz do Iguaçu (CESUFOZ), Centro Universitário Dinâmica Das Cataratas (UDC), Instituto Federal do Paraná (IFPR), UDC Monjolo, Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), Faculdades Unificadas de Foz do Iguaçu (UNIFOZ) e UniAmérica Centro Universitário.

O programa

O Programa Integração Universidade Empresa- promovido pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR) e Itaipu Binacional, com apoio Sebrae Paraná – foi criado para ser um ponto de partida para a implantação da cultura de inovação nas empresas impactadas pela crise desencadeada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19). A proposta é inserir estudantes de graduação ou pós-graduação, professores e empreendedores em atividades de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação, com apoio do Sebrae Paraná.

Os participantes selecionados (bolsistas, orientadores e supervisores) ainda participarão de capacitações ofertadas pelo Sebrae Paraná na temática de empreendedorismo com o intuito de somar conhecimentos e preparar o empresário e o potencial empresário para a carreira profissional.

Cada empresa proponente poderá incluir até três bolsistas para o desenvolvimento das atividades, além de escolher o local onde eles atuarão (na própria instituição de ensino, empresa ou em home office), com a contra-partida de R$ 80 mensais (10% do valor da mensalidade). Os critérios para participação e cronograma completo está disponível no edital, em www.pti.org.br/acelerafoz.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião