14ª Bienal de Curitiba apresenta Yanbei (China) e jovens artistas brasilienses no Espaço Cultural Renato Russo em Brasília

Até 13 de dezembro de 2019, o público poderá visitar uma das exposições da Bienal em Brasília, com obras de importante artista contemporâneo chinês e de novos nomes brasilienses 

A Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba entra em sua 14ª edição com uma homenagem aos países do grupo BRICS – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – trazendo ao público trabalhos de artistas originários desses países com grande destaque na programação geral. Ampliando suas sedes para além de Curitiba, a Bienal apresenta no Espaço Cultural Renato Russo, em Brasília, duas exposições inéditas inauguradas simultaneamente no espaço no dia 16 de outubro, com entrada gratuita.

A mostra “Yanbei: Uma Arte Agrilhoada” traz ao público trabalhos do artista contemporâneo chinês Yanbei, que atualmente reside em Portugal. Yanbei tem como linguagem artística principal a pintura, em especial a aquarela sobre papel. Com grande fluidez, cores e formas sem limites definidos geram uma percepção onírica que remetem a ambientes de tonalidades fantásticas. A facilidade com que constrói sobreposições cromáticas é uma das marcas de seu trabalho. 

Já no segmento brasileiro, com curadoria de Mateus Lucena e Gisele Lima, a mostra “Contraforte” apresenta obras de sete jovens artistas residentes em Brasília: Thalita Caetano, Romulo Barros, Kabe Rodriguez, Gustavo Silvamaral, Guilherme Moreira, Fernanda Azou e Bia Leite. Os artistas trabalham com as linguagens da pintura, videoarte e instalação, e grande parte das obras terá um caráter site specific, criadas especialmente para essa exposição. 

Também expondo no Espaço Cultural Renato Russo, o artista convidado Claiton Biaggi, de Cascavel, Paraná. 

14ª Bienal de Curitiba homenageia os BRICS em exposição no Palácio Itamaraty

A convite do Ministério das Relações Exteriores, Bienal Internacional de Arte Contemporânea propõe exposição que reúne obras de artistas dos cinco países

A Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba chega à sua 14ª edição homenageando os países-membros do grupo BRICS, por ocasião da 11ª Cúpula dos Chefes de Estado do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A convite do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, a Bienal ocupa o Palácio Itamaraty (Brasília) desde 13 de novembro de 2019, com obras de renomados artistas contemporâneos dos cinco integrantes do BRICS sob o conceito curatorial “Fronteiras em Aberto”. 

Nos últimos dez anos, a Bienal de Curitiba tem dado destaque à participação de artistas dos países-membros do BRICS em sua programação. Na mostra de arte contemporânea no Palácio Itamaraty, são apresentados os seguintes artistas: representando o Brasil, Juliana Stein, Eliane Prolik, Guita Soifer e Mariana Canet; representando a Rússia, Sergei Tchoban; representando a Índia, Jitish Kallat; representando a China, Yanbei; e por fim, representando a África do Sul, Anton Momberg. 

Declaração dos Ministros da Cultura do BRICS enfatiza a Bienal Internacional de Curitiba

Em outubro de 2019, Curitiba foi sede do 4º Encontro de Ministros da Cultura dos países BRICS, que se reuniram no Museu Oscar Niemeyer, sede principal da Bienal de Curitiba. Na ocasião, os cinco ministros assinaram uma declaração que saúda o Brasil, enfatizando a programação da Bienal. 

“Nós, os Ministros em comando da Cultura e representantes designados da República Federativa do Brasil, Federação Russa, República da Índia, República Popular da China e República da África do Sul, tendo nos encontrado em Curitiba, República Federativa do Brasil, em 11 de Outubro de 2019 para discutir a promoção de atividades culturais entre os países BRICS, sob o auspício do tema “BRICS: cultura para um futuro inovativo”. Pelo presente concordamos em reconhecer o importante papel da economia criativa e inovação como dirigentes de crescimento econômico e saudamos o Brasil por sediar a Exposição BRICS em “Fronteiras em Aberto” de Setembro de 2019 a Março de 2020, durante a 14ª Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba.” 

Trecho de declaração assinada pelos cinco ministros e vice-ministros do BRICS durante a 4ª Reunião de Ministros da Cultura BRICS, realizada em Curitiba no mês de outubro de 2019. 

Sobre os Artistas 

Juliana Stein | Brasil 

A artista gaúcha trabalha com fotografia desde o final dos anos 90. Em seus trabalhos, destaca-se a presente relação entre imagem e experiência poética. Seu trabalho fez parte de diversas exposições no Brasil e no exterior. Entre elas estão a 55ª Bienal Internacional de Veneza, 29ª Bienal de São Paulo, CroneGallery, em Berlim, ShangARTGallery, em Xangai, e CarreauduTemple, em Paris. 

Eliane Prolik | Brasil

Durante sua carreira, a artista integrou os coletivos Bicicleta, Moto Contínuo e Escultura Pública. Também participou das exposições Bienal de Curitiba 2015 e da 25ª e 19ª Bienal de São Paulo, assim como a I Bienal Mercosul, no RS, e a Bienal Brasil Século XX.

Guita Soifer | Brasil

A artista curitibana multimídia transita por práticas artísticas múltiplas entre apropriação, fotografia, pintura, escultura, gravura e videoarte. Os objetos que Guita produz remontam a tempos vividos, um reconhecimento, devaneios que dividem o mundo. Expôs em diversos espaços, como Instituto Cultural Brasileiro em Berlim, Alemanha, Embaixada do Brasil em Buenos Aires, Museu Casa Alfredo Andersen, em Curitiba, Paraná, e Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, Paraná, 

Mariana Canet | Brasil 

Após tirar fotos documentais no Cambodia, Sri Lanka e Vietnã, Mariana percebeu que fotografar o abstrato, o indefinido e o ilimitado era sua paixão verdadeira. Participou de diversas exposições nacionais e internacionais e já publicou dois livros sobre o seu trabalho: “Reflexos” (2014) e “Abstrato” (2017). Participou da Bienal de Curitiba 2017. 

Sergei Tchoban | Rússia

Arquiteto e artista que vive e trabalha em Berlim e Moscou. Em seus desenhos, explora estruturas reais e imaginadas de metrópoles, em conjunto com sua arquitetura futurista e herança histórica. Já expôs no Mies Van Der Rohe Berlim, Alemanha, Saatchi Gallery, em Londres, Inglaterra, Raumgallery, em Stuttgart, Alemanha, Gallery of Shangai Study Center, na China, Antonia Jannone Disegni di Architettura, em Milão, Itália. 

Jitish Kallat | Índia

Artista multimídia, seus trabalhos atravessam diferentes distâncias focais e escalas de tempo. Eles podem ser meditações sobre o presente transitório, enquanto outros remontam à história e sobrepõem o passado ao presente por meio de citações de enunciados históricos importantes. Já expôs individual e coletivamente em espaços como Sperone Westwater, em Nova York, EUA, National Gallery of Modern Art de Nova Dheli, Índia, Sherman Art Contemporary Foundation of New South Wales, em Sydney, Austrália, Spazio Piazza Sempione, em Milão, Itália, entre outros. 

Yanbei | China 

Aprendeu a cultura chinesa tradicional desde novo e ganhou entendimento das regras e técnicas da pintura tradicional. É influenciado pela arte ocidental moderna e contemporânea do final dos anos 80. Em 2014 se mudou para Portugal com sua família, onde começou sua nova etapa de criações de arte e tenta estabelecer sua própria identidade cultural e escolha artística. Expôs no Museu de Macau, em Lisboa, Portugal, Beijing International Art Gallery, na China, no Espaço Cultural Renato Russo, em Brasília, Brasil, pela 14ª Bienal de Curitiba. 

Anton Momberg | África do Sul

O trabalho de Momberg apresenta uma natureza meticulosa, presente em suas esculturas que batem de frente com a dinâmica da era de produção em massa. Momberg participa de inúmeras exposições coletivas em Everard Read, Cidade do Cabo, individual na Circa Gallery, em Londres, e faz parte de exposições coletivas regulares em Port Elizabeth desde 1980.

Sobre a Bienal

A 14ª Bienal de Curitiba acontece de 21 de setembro de 2019 até 1º de março de 2020. Nessa edição conta com o tema “Fronteiras em Aberto”, assinado pelos curadores Adolfo Montejo Navas e Tereza de Arruda. A programação geral terá a participação de artistas dos cinco continentes, com destaque para artistas da Rússia, Índia, China e África do Sul – países-membros do bloco BRICS. 

Essa edição ocupará todos os museus e centros culturais de Curitiba e terá sedes em outras cinco cidades do Paraná, além de Florianópolis (Santa Catarina) e Brasília (Distrito Federal). Ao longo dos meses de realização do evento, o público contará com uma agenda intensa de circuitos, palestras, intervenções urbanas, oficinas, como os já tradicionais Circuito de Galerias, Circuito de Arquitetura, Circuito de Ateliês, Circuito Universitário (CUBIC), Semana de Performances, entre outros.  

Por fim, expandindo ainda mais suas fronteiras, a Bienal apresentará uma programação de mostras internacionais em países da América do Sul e Europa. A programação completa pode ser conferida nas redes sociais e site da Bienal de Curitiba. 

Instagram: @bienaldecuritiba

Facebook: /BienaldeCuritiba

www.bienaldecuritiba.com.br

 

Patrocínio: Furnas, Copel, Havan e Bergerson.

Realização: Fundação Cultural de Curitiba, Prefeitura de Curitiba, Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Governo do Paraná, e Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo do governo federal.

Correalização: A Pilastra Galeria.

Newsletter

Ama a tríplice fronteira tanto quanto nós? Assine a newsletter 100fronteiras e receba conteúdo exclusivo. Seu apoio aprimora nosso trabalho para que possamos ajudar a aprofundar sua conexão com Ciudad del Este, Foz do Iguaçu e Puerto Iguazú enquanto investimos no futuro do jornalismo local.

Participe da comunidade 100fronteiras

Apoiando o jornalismo local, você valoriza a sua cidade, seu estado e a integração dos três países. Nossa equipe está diariamente trazendo notícias da fronteira, apresentando novos lugares, histórias. Assinando você receberá conteúdos e promoções exclusivas.

Entre em nosso grupo do Whatsapp. Apoie a mídia local!

Nos encontramos lá, até mais!



Deixe a sua opinião