Quem acompanha a 100fronteiras já deve ter visto conteúdo em nosso portal ou até mesmo no Instagram sobre o Café Dona Irani, um café diferenciado, que vem direto do produtor rural.

O Brasil é o maior produtor de café do mundo e, também, está se destacando na produção de cafés gourmets. Na fazenda Dona Irani, localizada na cidade de Gália, estado de São Paulo, o investimento em tecnologia e infraestrutura é contínuo, pois o objetivo é produzir cafés de alta qualidade para os apreciadores.

A colheita de café não é tão simples, o acompanhamento de um especialista é indispensável. É necessário ter o conhecimento para saber o ponto ideal da colheita, a separação dos grãos, e todas as fases posterior a colheita em que o grão passa.

Disso tudo, Luiz Antonio Rodrigues Junior, engenheiro agrônomo responsável pela fazenda, entende. Junior acompanha toda a colheita do café de perto e contou para nós como é essa rotina um tanto quanto incomum para o cidadão.

A rotina em época de colheita do Café Dona Irani

Colheita do Café Dona Irani
Foto: Boutique de Café.

100f: Qual é o primeiro passo na hora da colheita?

Junior: O dia na fazenda começa antes da 7h da manhã. Minha primeira atividade é verificar o café que foi colhido no dia anterior que está na moega. Ali verificamos a quantidade de grãos cerejas, verdes e bóia e o talhão. Tiramos a umidade e o brix desse café e o catalogamos, para então descobrir o tipo de secagem que deverá ser feita naquele café e que tipo de café ele vai produzir.

Colheita dos grãos de café (visto de baixo da máquina).
Colheita dos grãos de café (vista de cima da colheitadeira).

100f: Por que é preciso separar os grãos?

Junior: Porque se o café tem muito cereja, ele será despolpado, se tem mais grãos verdes, mandamos para o terreiro, se ele tem muitos defeitos ele deverá ser separado. Após a primeira triagem do café vamos até a estufa onde tiramos a umidade de cada café, se a umidade estiver próxima de 11%, já separamos um quilo de cada café para realizar o teste de cup que é feito por mim.

Grãos cereja Café Dona Irani
Grãos cereja.

100f: O que é esse teste de cup?

Junior: Nesse teste, eu avalio se ele já bebe bem (acima de 82, 83 pontos) e, então, eu os envio para um profissional de cupping para que possa avaliar as notas do café. Dessas amostras serão separados apenas os grãos cerejas que irão ser colocados nos tambores para fermentar durante 11 dias.

Café fermentado, depois disso ele vai para a secagem.

Cafés fermentados

Os cafés fermentados ou cafés exóticos são a nova tendência do mercado, portanto a fazenda vem se especializando na produção deles, separando seus melhores grãos para a fermentação, que são infusionados na cachaça, capim limão, hortelã ou ainda jabuticaba. Nesse processo acontece a migração de alguma especiaria para dentro do grão.

Paralelo a isso o restante do café que já foi colhido está seguindo a rotina de arruar o café, espalhar ou amontoar no terreiro.

Café no terreiro.

100f: Vocês tem um controle de cada grão?

Junior: A fazenda Dona Irani tem certificação, então todo nosso café é rastreável, tiramos amostra de todo o café que é colhido, ele é pesado e feita anotações sobre ele, nós sabemos exatamente de qual pé ele veio. Tudo feito em laboratório e bem detalhado sobre cada lote colhido. Os cafés que estão no terreiro também são testados, verificamos a umidade, se o rodo está sendo passado corretamente, quais cafés já irão para secador e quais podem ir para a tulha.

100f: E como é a questão do tempo? Se chover é feita a colheita?

Junior: Não, além de todo o processo que falei, temos que cuidar da previsão do tempo, pois o café não pode tomar chuva. Quando temos previsão de chuva recolhemos os cafés nos secadores ou na estufa.

100f: Quais são os próximos passos?

Junior: A tarde após o almoço nós subimos para a plantação para acompanhar a colheita mecanizada. Verificamos como está a colheita na lavoura, a limpeza dos grãos nos pés, se estão tirando todos os cafés e qual será o próximo talhão a ser colhido. Fazemos um tour na fazenda atrás do talhão que apresenta mais grãos cerejas, os caças cerejas. Esse é o nosso objetivo, colher o café cereja, e eles podem estar a quilômetros de distância um dos outros.

100f: A fazenda Dona Irani também produz palmitos, certo? Você cuida desse setor também quando vai até a fazenda para a colheita?

Junior: Sim, depois do processo, passo por outros setores, visito a fábrica de palmito para ver como está o andamento da produção, e volto para a fazenda, retomando novamente a rotina com o café que agora será amontoado em montes nos terreiros e cobertos com lonas, pois os cafés não podem tomar sereno.

Essa rotina acontece todos os dias durante os três meses de colheita. Pode parecer cansativo, mas para nós que somos apaixonados por café é um trabalho realizado com prazer.

finaliza junior.

Boutique de Café

Todo o café colhido vem para Foz do Iguaçu, mais especificamente na Boutique de Café, uma cafeteria e mercado de café localizado no coração da cidade.

Diferente de ir em outras cafeterias, a Boutique de Café oferece uma experiência completa, desde o pé de café até o primeiro gole. Caso você nunca tenha visto um pé de café, lá tem. Além disso, você pode escolher o grão de sua preferência e moer ele na hora, sem passar por embalagens.

Lá, você também tem a oportunidade de experimentar os cafés fermentados, os quais possuem os grãos fermentados na cachaça, capim limão, hortelã e no cardamomo. Além de estar disponível vários produtos da fazenda Dona Irani, como o palmito, mel, pimentas e geleias.

A safra de 2022 já está disponível na Boutique de Café!

Acompanhe no Instagram @Boutiquedecafefoz

Comentários

Deixe a sua opinião