A 100fronteiras entrevistou o gerente agência Sicredi República Argentina, Rodrigo Eduardo Bissoqui, confira:

100f: Para começar, poderia me contar como iniciou no Sicredi até chegar à gerência da agência da República Argentina?

Sicredi/Rodrigo Eduardo Bissoqui: A minha história com o Sicredi já tem 15 anos. Iniciei no Sicredi em junho de 2005 como estagiário na agência da República Argentina. Mas logo fui contratado para trabalhar na agência do Morumbi, que inaugurou em setembro daquele ano. Trabalhei como caixa e depois de dez meses fui efetivado. Fui tesoureiro da agência e como eu tinha um perfil muito negociável, pois mesmo atendendo no caixa eu conseguia fazer negócios e vender, meu gestor na época percebeu esse potencial e me passou para uma área de negócios, tornando-me gerente de negócios. Em 2009 voltei para a agência da República como gerente de Pessoa Jurídica, fiquei por dois anos e em 2011 retornei para a agência no Morumbi, onde fui promovido a gerente da agência, onde fiquei de 2011 a 2013. Em dezembro de 2013 fui para São Paulo, pois o Sicredi estava com um projeto de expansão no estado e eu fui para a cidade de Taubaté ser gerente geral na agência lá. Retornei para Foz do Iguaçu no final de 2015 para a agência da República para ser gerente geral, onde estou até hoje.

100f: Como você vê essa sua evolução dentro do Sicredi?

Sicredi/Rodrigo Eduardo Bissoqui: É uma história bem bacana, não só minha como de muitos colaboradores do Sicredi que valoriza muito isso. Eu sempre falo para meus colegas que aqui dentro do Sicredi tem oportunidades de crescimento, basta dar um passo de cada vez. Claro que eu sempre tive sonho de crescer, mas sempre com o pé no chão, porque sempre pensei que temos que crescer aos poucos para que o crescimento seja sólido. Então é muito gratificante ser gerente no Sicredi. Quando eu entrei como estagiário eu pensava primeiramente em ser efetivado, depois vieram outras oportunidades e sempre foi assim. Eu sempre fui uma pessoa que agarrou as oportunidades e sempre batalhei muito. Eu sempre falo muito pro pessoal que está começando no Sicredi que tudo depende muito do crescimento pessoal, de você estar preparado e de ter oportunidade. Quando a oportunidade surge você tem que ser flexível, pois às vezes não é naquilo que você esperava, mas pode ser a sua chance de conquistar algo novo. Tenho 37 anos e quase metade da minha vida estou dentro do Sicredi. Então é muito gratificante.

100f: Como foram os desafios nas transições entre as duas agências de Foz?

Sicredi/Rodrigo Eduardo Bissoqui: Os desafios sempre são grandes, porque por mais que sejam duas agências na mesma cidade, são perfis diferentes, regiões diferentes, o público e os colaboradores são diferentes, então isso tudo interfere. Com isso temos que ser meio camaleão, ir se adaptando ao lugar novo. Eu sempre tive muito comigo que quando eu chegasse em um novo lugar, não eram as pessoas que teriam que mudar e sim eu que deveria me adaptar aquele ambiente da agência. E isso que é o legal, porque se fosse tudo igual não teria graça. Com todas as minhas mudanças sempre teve o frio na barriga de iniciar um desafio novo, de manter as coisas que estavam funcionando na agência e propor novas mudanças para agregar, e isso sempre foi muito desafiador.

100f: E na sua ida para São Paulo, qual foi o maior desafio?

Sicredi/Rodrigo Eduardo Bissoqui: Claro que tem a saudade da família, a adaptação por estar em outro estado, com costumes diferentes. Mas o que mais me pesou foi o lado profissional, a perca de identidade, porque no estado de São Paulo o Sicredi era algo novo, você chegava na região para fazer uma visita e ninguém sabia o que era o Sicredi, diferente daqui que todo mundo se conhece e conhece a história da cooperativa. Como eu comecei de baixo, como estagiário, eu tenho um amor muito grande por essa marca, e chegar lá e as pessoas não conhecerem a marca, foi algo que mexeu comigo.

Rodrigo Eduardo Bissoqui tem uma longa história de atuação no Sicredi. (Foto: Divulgação)

100f: Falando da agência da República, qual o perfil dos associados?

Sicredi/Rodrigo Eduardo Bissoqui: Hoje temos cerca de 3.520 associados, 19 colaboradores e mais dois terceirizados e somamos uma carta de cinco mil poupadores. Atendemos mais Pessoa Física, no entanto a maior parte dos negócios vem da Pessoa Jurídica, que é onde tem mais negociações. Estamos numa zona residencial, então a Pessoa Física é que compõe a maioria dos nossos associados.

100f: Qual a diferença entre poupadores e associados?

Sicredi/Rodrigo Eduardo Bissoqui: O associado é a pessoa que se torna sócio da cooperativa. Para abrir a conta ele tem que integralizar o capital e assim pode desfrutar de todos os benefícios que o Sicredi oferece possuindo conta corrente. Já o poupador abre apenas uma conta poupança, então ele não é associado à cooperativa, ele não participa dos resultados da cooperativa. Além disso, têm alguns produtos que a gente só vende para associado, essa é a diferença. As vantagens são as mesmas de uma instituição financeira tradicional, não tem diferença de um para outro, o que o Sicredi faz de diferente é dar o melhor atendimento possível, pois a poupança é muito necessária para a cooperativa, é ela que dá subsídio para poder emprestar ao agronegócio. E também realizamos sorteios semanais, mensais e anual para quem poupa.

100f: Como foi a mudança de prédio da agência?

Sicredi/Rodrigo Eduardo Bissoqui: A agência da República já passou por três mudanças de local e eu acompanhei as três. Por último estávamos próximos ao Jeca Espetinho, em um espaço de 300 metros quadrados e sentimos a necessidade de ter um espaço maior que também atendesse ao novo layout do Sicredi, por isso nos mudamos no início de 2019 para um prédio de 800 metros quadrados, próximo ao Muffato e foi um divisor de águas, pois gerou uma comodidade maior para os associados e eles valorizam muito essas mudanças. Hoje todas as agências do Sicredi são únicas aqui em Foz, unindo bom atendimento com um local limpo e confortável, essas estruturas são pensadas para os associados, porque se não fossem eles isso não poderia acontecer. Com essa mudança de prédio aumentamos nosso número de abertura de contas e a procura pelo Sicredi hoje é maior.

100f: Um grande diferencial é o atendimento humanizado, como você trabalha isso na agência?

Sicredi/Rodrigo Eduardo Bissoqui: Quando nós começamos a idealizar o novo projeto da agência a gente sempre colocou os colaboradores a parte disso e eu sempre destaquei a preocupação de que, indiferente do lugar que estivéssemos nós não poderíamos mudar a nossa essência, a essência do Sicredi, que é o atendimento humanizado. Então mais do que nunca estar em um espaço maior e mais moderno não poderia interferir na nossa essência que é prestar um atendimento próximo com total atenção aos associados.

“O Sicredi tem o perfil cooperativista e quando buscamos um novo talento para fazer parte da nossa equipe, captamos o perfil parecido com os dos colaboradores que já trabalham no Sicredi. Conseguimos perceber as qualidades do trabalho em equipe, de ser cooperativista, de pensar no próximo, de não pensar apenas em números, percebendo a essência das coisas. Acredito que somos muito felizes, porque a própria cultura da empresa, que vem de cima pra baixo, começando com nosso presidente e os diretores, que são muito humanos e pensam muito no próximo sempre. Somos uma empresa, mas feita de pessoas para atender pessoas. Nosso associado é o bem mais importante que temos, então nós temos que tratá-lo da forma que gostaríamos de ser tratados e esse é o nosso grande diferencial”.

rodrigo Eduardo Bissoqui

100f: E para fechar, como você projeta os próximos anos de trabalho à frente da agência do Sicredi da República?

Sicredi/Rodrigo Eduardo Bissoqui: Esse ano foi bem atípico, tivemos que nos adaptar, e nosso maior desafio foi estar distante fisicamente do nosso associado, de ter que conversar com ele por telefone, enfim, ver a agência muitas vezes vazia, pois nosso associado estava em casa. Já com relação aos planos para futuro vejo que temos que melhorar algumas coisas, principalmente nesse atendimento on-line, para ser cada vez mais assertivo, sem nunca deixar o associado de lado. A região da República Argentina é outro centro né, a gente percebe o crescimento em torno, principalmente depois dessa última mudança de prédio, pois estamos promovendo mudanças aqui na região. Não tenho dúvidas que nos próximos anos estaremos crescendo juntos com a região, pois esse é o grande lema do Sicredi.

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião