Giovani Patuzzo e André Queiroz são amigos de infância. Juntos, eles passaram por grandes desafios, incluindo um intercâmbio em Las Vegas, Estados Unidos, no final da faculdade. E, apesar de não seguirem a mesma profissão, dez anos depois dessa experiência em outro país, o caminho deles se cruzou em um novo desafio, dessa vez muito mais significativo: empreender na área do entretenimento em Foz do Iguaçu.

“A viagem para as Vegas foi uma grande experiência para mim. Fui para lá e tive que arrumar emprego em um tempo recorde, em outro país, com outra língua. Trabalhei como lavador de pratos e ajudante de cozinha, e pude juntar uma boa grana. No último mês, aproveitei para passear e conhecer muitos lugares. A experiência com os amigos foi incrível, é algo que vou incentivar meus filhos a passarem por isso também”, destaca Giovani. 

Giovani Patuzzo.

Já André teve problemas com o passaporte de trabalho e não conseguiu emprego em Las Vegas. No entanto, no período em que ficou lá com Giovani e demais amigos, ele aprendeu grandes lições. “Para mim, foi um divisor de águas, porque eu nunca tinha morado sozinho, nem viajado pra tão longe, então conhecer outro país e outra língua foi um desafio imenso para mim, além disso ficar lá sem emprego e sem dinheiro me fez crescer muito, e com isso voltei para cá com outra cabeça.”

Quando voltaram para Foz do Iguaçu e concluíram a faculdade, os amigos seguiram suas profissões. Giovani se formou em engenharia mecânica e em pouco tempo conseguiu um trabalho no PTI, na empresa CIBiogás, na qual trabalhou por seis anos. “Lá foi outra experiência marcante, porque era um projeto do PTI e depois virou uma empresa independente. Tive grandes desafios na área de energias renováveis. Aí ano passado, eu saí da empresa para um período sabático e então estava aberto para novos desafios. Como minha esposa trabalha no ramo do turismo, eu vi um grande potencial, por isso sempre acendi uma luzinha para essa questão, do potencial de Foz e o tanto que podia crescer nessa área.”

André, por outro lado, formou-se em administração e desde os 15 anos trabalhou em transportadora. Durante a faculdade, buscou novas experiências atuando nos setores público e privado. Depois de formado, trabalhou em Cascavel antes de receber uma proposta para trabalhar novamente no ramo de transporte, dessa vez no Mato Grosso, depois em São Paulo, antes de voltar para Foz. “Hoje, trabalho na transportadora da família. No entanto, sempre quis empreender e ter um segundo negócio, e numa dessas surgiu o Escape 60.”

André Queiroz

De amigos de infância a sócios

A amizade entre eles continuou, embora tivessem seguido profissões diferentes. Eles sempre falaram de investimentos, mas nunca sobre trabalharem juntos. “Quando eu saí da empresa e entrei nessa prospecção de mudança para encontrar algo novo para trabalhar, um dia liguei para o André para comentar sobre um projeto que eu estava estudando no Paraguai, e nessa conversa ele comentou da experiência que teve numa feira com o Escape 60. Aí ele me apresentou a ideia e passamos a estudar o projeto. Foi no final de 2019, e Foz do Iguaçu estava bombando, todo mundo apostava alto que 2020 seria muito melhor. Já era dezembro de 2019 quando decidimos trazer a franquia para Foz. Fomos até São Paulo conhecer a franquia e realizar a experiência do game, e fechamos contrato”, explica Giovani.

Tudo isso aconteceu muito rápido. Fizeram estudo de viabilidade, plano de negócios e encontraram o local para instalar o Escape 60. No entanto, em nenhum momento eles imaginavam que a pandemia chegaria. “Quando desenvolvemos a ideia, imaginamos a pior realidade possível para Foz, mas em nenhum momento imaginamos que viria uma pandemia. Mas continuamos com o cronograma e só tivemos que adiar a inauguração”, destaca André.

Assim, os jovens amigos e empreendedores tiveram fé e seguiram com a ideia, mesmo em um cenário totalmente atípico que a cidade estava vivendo.

Escape 60

Criado para ser uma experiência indoor entre amigos e família, o objetivo do empreendimento é gerar adrenalina aos participantes por meio de um ambiente de mistério desenvolvido especialmente para aguçar as habilidades e inteligência do ser humano. “Quando viajamos para São Paulo para participar do jogo, fomos com a expectativa superalta, mas foi ainda melhor do que imaginávamos.  Jogamos uma sala e saímos de lá extremamente eufóricos, com vontade de levar esse jogo para Foz, porque pouca gente conhece e a cidade merece ter algo nesse sentindo de entretenimento”, salienta André.

O Escape 60 chegou ao Brasil em 2015 como uma opção inédita de jogo temático, presencial e interativo. A atração é composta por salas com temas distintos e inéditos, onde os participantes são desafiados a descobrirem o enigma do jogo para retornar à liberdade, com uma única condição: que tudo ocorra em apenas 60 minutos. Trata-se de uma experiência única de espírito de equipe, com o mínimo de duas pessoas e o máximo de 12 por sala, com instinto de investigação e capacidade de resolução de problemas. A marca também disponibiliza jogos no formato delivery, para que os participantes possam desvendar os mistérios no conforto do lar.

Foz do Iguaçu é a primeira cidade fora das capitais a ter o Escape 60, sendo que no Paraná a outra filial fica em Curitiba. “Nós, como moradores de Foz, vimos uma grande demanda e necessidade de uma nova opção de entretenimento que fosse tanto para os moradores quanto para os turistas, e encontramos no Escape 60 um atrativo que não é limitado a um público específico, pois ele pode ser usufruído por crianças, jovens, adultos e até idosos”, frisa Giovani.

Escape 60 Foz do Iguaçu.

Como funciona o jogo

O game é dividido em salas temáticas, onde em cada situação os participantes devem resolver os enigmas propostos, sempre trabalhando em equipe para escapar da sala no tempo máximo de 60 minutos.

Corredor da Morte – Há 12 anos você foi preso injustamente em virtude de um assassinato que não cometeu e agora foi condenado à pena de morte. O carcereiro Keeper retornará em uma hora, e você será levado para a cadeira elétrica.

SOS – Você e seus amigos foram convidados para um jantar organizado por um ex-colega de classe, o excêntrico Schmock, para comemorar dez anos de formados. Ao ingressar na casa, descobrem que estão trancados e que Schmock      morreu há um ano. Além disso, vocês encontram uma carta informando que se arrependerão pelo bullying que realizaram no passado. Você e sua equipe serão levados ao além se não saírem em 60 minutos.

Operação Resgate – Sua prima desapareceu durante uma onda de assassinatos em série que ocorrem exatamente à meia-noite. Pouco antes do sumiço, ela mencionou que estava namorando um rapaz recém-chegado à cidade e que estava hospedado no Hotel Plaza. A polícia vasculhou o local e não encontrou pistas. Uma camareira, porém, informou que havia um quarto que a polícia não viu. Você e sua equipe têm 60 minutos para resgatá-la.

Vila do Chaves – O ambiente reproduz a vila onde Chaves e os outros personagens moram. Em “A Vila do Chaves”, os jogadores precisam ajudar o seu Madruga a encontrar o dinheiro perdido dele em até 60 minutos, para pagar os 14 meses de aluguel atrasado que ele deve. Caso contrário, seu Madruga será despejado da vila pelo senhor Barriga aos gritos de “gentalha, gentalha, gentalha!”.

“Para entender realmente como funciona o Escape 60, é preciso viver a experiência. Trata-se de um jogo totalmente imersivo, sem contato com o meio externo, sem celular. Você acaba se tornando um personagem daquela história, acaba se desafiando”.

giovani patuzzo

A equipe da 100fronteiras teve a oportunidade de jogar e pode garantir que a experiência realmente é marcante. Presos em uma sala, a única saída é viver aqueles 60 minutos totalmente focados, analisando as pistas e desvendando os enigmas. Nesse jogo, ou todo mundo escapa ou ninguém escapa.

“Realmente, gera uma experiência, porque você sai de lá e fica por horas conversando sobre o jogo. E é ideal para ir em família, se divertir e estar focado naquele momento, esquecendo o mundo lá fora. Isso gera uma experiência eufórica, você vai lembrar daquilo por muito tempo”, explana André.

Escape 60 é mais que um jogo de entretenimento

Conhecido como um jogo de entretenimento para todas as idades, hoje é possível ir além e replicar o Escape 60 em eventos, no formato box, e em empresas corporativas, realizando treinamentos em formato de jogo. “Nós já temos alguns cases onde, por meio do jogo, realizamos treinamentos para os colaboradores de empresas, e eles aprendem jogando. Para isso, há um espaço específico dentro da sede focado ao meio corporativo, tanto para treinamento como recrutamento e seleção. Isso porque, por meio do jogo e com o auxílio de uma psicóloga, que analisa os participantes, dá para analisar o perfil do trabalho em equipe, quem toma a frente, quem tem espírito de liderança, como é a ambientação, o foco, a ansiedade. Enfim, são muitas as características que podem ser analisadas durante o jogo e posteriormente usadas para avaliar como      um determinado colaborador irá se comportar diante dos desafios da empresa. É também uma forma de avaliar a integração, porque no jogo todos precisam trabalhar juntos, um depende do outro para escapar da sala”, ressalta André.

Além disso, o jogo pode ser aplicado no aprendizado de alunos. “Escolas de línguas, por exemplo, utilizam o Escape 60, pois o jogo roda em português, inglês e espanhol. Também é ideal para cursos de pós-graduação, onde geralmente os alunos não têm muito contato, e com o jogo eles têm a oportunidade de se integrarem. Uma forma de aprender brincando. É uma forma também dos jovens e crianças se desconectarem do celular e da internet e focarem no jogo e no trabalho em equipe”, frisa Giovani.

Viva essa experiência

Novidade em Foz do Iguaçu, o Escape 60 já caiu no gosto da galera e possui excelentes avaliações no TripAdvisor, site referência no mundo na avaliação de usuários. 

“Lugar superorganizado! Pessoal atencioso, cujo atendimento supera expectativas. As salas temáticas fazem uma imersão completa, e os enigmas e desafios exigem raciocínio e trabalho em equipe. Voltarei mais vezes com certeza”, comenta Vitor Mateus.

“Muito legal, fomos duas vezes. Vale muito a pena. Salas muito legais, bons profissionais. Superrecomendo”, destaca Junior.

“Experiência divertida em família. Desde o mais velho ao mais novo, tem lugar para todos. As salas são bem reais, me senti dentro de um jogo de videogame real. Recomendo a todos”, ressalta Alyni R.

“Muito bem montado, ótimo lugar para juntar os amigos e resolver mistérios! E quanto mais amigos para ajudar, melhor! Os atendentes ajudam a melhorar a experiência desde o início da aventura, rende boas risadas, sustos e aquela pitada de orgulho ao conseguir resolver um mistério! Superrecomendado”, diz Mateus Gregório.

Agora só falta você conhecer o Escape 60 e viver essa aventura. Eu, a jornalista que vos escreve, garanto que você irá surpreender-se e, mais, irá querer voltar!

Fotos: Eliane Provin

Escape 60

Endereço: Av. Paraná, 1.336, Vila Maracanã, próximo ao hotel Íbis

Agendamento de horário: http://www.escape60.com.br

Formada em Jornalismo na UDC e pós-graduada em Relações Internacionais Contemporâneas na Unila, atualmente é jornalista da 100fronteiras.

Deixe um comentário

Deixe a sua opinião