Contato

+55 (45) 3025-2829

Whatsapp

+55 (45) 9118-2401

Foz do Iguaçu

Papo Sério com Nevio Rafain Jr.

Papo Sério com Nevio Rafain Jr.
100Fronteiras 100Fronteiras
20/12/2016 09:38hs

Currículo

Nasceu em Foz do Iguaçu em 1976. É graduado em Administração com ênfase em Recursos Humanos. É sócio-proprietário do Complexo Rafain, que engloba o Rafain Chopp, 4Sorelle, Taj, Wood’s, Wood’s FM e Motel Play Time.

 

Um gestor incansável

“A gente precisa sempre buscar novas formas de fazer a mesma coisa. As pessoas, hoje em dia, se enjoam muito fácil de tudo.”

Como foi estudar administração?

 

Pra mim foi fantástico, era um curso novo (a ênfase aos Recursos Humanos) e foi muito bom. Aprendi cedo que não existe resultado sem uma boa gestão de pessoas. Tranquei 1 ano a faculdade por problemas financeiro, vim ajudar meu pai em Foz do Iguaçu na Agência Tass, e assim tive minha primeira experiência como gestor.

 

O que o motiva a continuar empreendendo?

 

Eu sou apaixonado por gestão. Gosto desse tema. Eu gosto de desafios.

 

Em sua opinião, como é trabalhar com a noite em Foz do Iguaçu?

 

Eu encaro a noite como um negócio, sei que existe uma visibilidade maior, mas para mim é somente um negócio. A concorrência é muito forte, pois temos a diferença do câmbio nos países vizinhos que dificulta às vezes. Mesmo assim tento não confundir o lado pessoal com o profissional, fui amigo da maioria dos meus concorrentes. O Marcos, dono do La Barranca, foi dos meus mais fortes concorrentes, porque era mais barato lá, e sempre foi meu amigo, nunca brigamos. Tem muita vaidade nesse meio. Tem o lance de querer ser o “dono da noite”. Eu acredito que a noite não tem dono, é um mercado muito dinâmico, hoje você está em cima amanhã pode estar em baixo, o que me move é minha paixão por administrar e encarar desafios.

 

Recentemente vocês lançaram a Wood’s FM e compraram o Motel Play Time. Qual é o próximo passo?

Na Wood’s FM eu tenho uma participação junto com dois sócios, o meu amigo Capobianco e o Cassiano Neves, que era da Jovem Pan. Mas esse é um projeto que eu entrei mais como investidor. O que estamos inaugurando é a loja de conveniência no Container (no estacionamento do 4 Sorelle). Quem determina o próximo passo é o cliente, o desafio é entender aquilo que o mercado sente falta.

 

A experiência de morar e empreender nos EUA, em comparativo com o Brasil, qual é a diferença dessas duas realidades?

 

Por incrível que pareça, apesar de toda a dificuldade que tem, eu ainda acho que é mais fácil empreender no Brasil do que fora, porque o mercado é menos profissional do que nos EUA, e o consumidor é mais ingênuo. Mas o Brasil te coloca tantas dificuldades que às vezes você pensa: será que não é melhor ganhar menos e viver melhor?

 

É comum os empresários se queixarem de passar pouco tempo com a família. Como você é em casa?

 

Eu sou um pai super dedicado. Eu tenho duas meninas que são as paixões da minha vida. Eu faço minhas coisas, almoço e vou pra casa antes delas irem pra escola. Esse é um dos benefícios de profissionalizar as empresas com um modelo em que todo mundo participa e assim poder ter esse tempo também. Eu não abdico do meu tempo em família para trabalho. Eu sou equilibrado nesse sentido. Eu estou em casa acompanhando tudo. Não aceito funcionário vender férias para trabalhar, faço questão que eles descansem. O nosso segmento faz com que naturalmente o cara tenha que abdicar da família.

“O Brasil te coloca tantas dificuldades que às vezes você pensa: será que não é melhor ganhar menos e viver melhor?”

No ano passado, foi colocada uma bola de Natal gigante na Avenida Jorge Schimmelpfeng, em frente ao Rafain Chopp. Todos os anos vocês estão inovando...

 

O mercado obriga você a mudar. Tem que se reinventar. A noite te dá um ritmo muito intenso por isso tenho vontade de aplicar o nosso modelo de gestão em outros segmentos, o primeiro passo foi dado com a aquisição do Motel Play Time.

 

Pela sua experiência, o que falta pro turismo de Foz do Iguaçu crescer ainda mais?

 

Falta primeiro Foz se conscientizar que é uma cidade turística. As crianças precisam saber que tem que se tratar bem os turistas. E numa segunda parte é fazer de Foz uma cidade turística como um todo. Por que os pontos de ônibus precisam ser iguais aos de São Paulo? Por que as placas precisam ser iguais às de Cascavel? Precisa de uma visão de alguém pra fazer o mesmo de uma forma diferente. Hoje Foz é uma cidade normal com atrativos turísticos.

 

Você sente que há mais turistas frequentando o centro?

 

Sinto que tem mais turistas vindo pra Foz, existe um trabalho de divulgação sendo feito nos últimos anos, eu acredito que falte uma identidade para a cidade, como eu disse antes, teríamos que deixar de ser um cidade comum com atrativos turísticos para ser uma cidade temática com atrativos turísticos.

 

E o futuro das empresas?

 

Manter o que a gente está fazendo bem feito. E sempre estando de olhos abertos e preparados para novas oportunidades. A aquisição do motel foi uma oportunidade que apareceu. Hoje a gente não tem condições financeiras e nem tempo para absorver qualquer outro negócio. Mas quando a gente estiver capitalizado, preguiça eu não tenho.

“Eu sou um cara apaixonado por gestão, por desafios, por conquistas.”

 

Qual o recado você deixaria para quem quer investir? Principalmente com a crise.

 

Na crise, apesar de todo mundo sofrer, ela tira muita gente incompetente do mercado. A primeira coisa pra saber se quer ser empresário é saber se tem vocação. Existe um certo preconceito de a pessoa não admitir as limitações e aceitar isso. Eu não vejo nada demais de um cara não ser um bom gestor. Antes da pessoa empreender, tem que no mínimo fazer uma análise do próprio perfil. Até começar um novo negócio tudo é uma maravilha, mas na hora que abre, que você estiver esperando o cliente chegar e vierem as contas, a realidade vem rapidinho. E para quem está nesse momento agora, é acreditar, a possibilidade de não dar certo para mim passa sempre bem longe. As pessoas precisam ter a capacidade de se reinventar. A gente precisa sempre buscar novas formas de fazer a mesma coisa. As pessoas, hoje em dia, se enjoam muito fácil de tudo.

 

Leia também

Construção civil em Foz tem constante crescimento

Construção civil em Foz tem constante crescimento
Poder ter um lugar para chamar de lar e desfrutar uma boa qualidade de vida são o sonho da maioria das pessoas. Mas em se tratando de obra, de uma hora para outra, o sonho pode tornar-se pesadelo. Por isso, se para as pessoas o desejo é ter um local para morar, para quem trabalha no ramo da construção civil o desafio é tornar isso...