Contato

+55 (45) 3025-2829

Whatsapp

+55 (45) 9118-2401

Foz do Iguaçu

Cem anos de liberdade das Cataratas do Iguaçu

Cem anos de liberdade das Cataratas do Iguaçu
100Fronteiras 100Fronteiras
23/07/2016 10:00hs

Por: Patrícia Buche

 

A Revista 100 Fronteiras, na edição 128, de maio, resgatou a história da passagem de Santos Dumont pelo Paraná, em especial por Foz do Iguaçu, onde conheceu as Cataratas, e por Curitiba, onde se reuniu com o então presidente do estado, Affonso Camargo, para exigir que o local onde estão situadas as quedas d’água fossem desapropriadas e se tornassem um local público, de visitação aberta.

 

Neste mês, mais especificamente no dia 28 de julho, completam-se cem anos que Affonso assinou o Decreto 653, publicado em Diário Oficial no dia 31 de julho daquele mesmo ano. Na ocasião, ele disse: “Fica declarado de utilidade pública para o fim de nele se estabelecerem uma povoação e um parque, em conformidade com o Art. 3 [...] regulamento que baixou com Decreto 560 de 1913, o lote de terra concedido a Jesús Val pelo Ministério da Guerra na Ex-Colônia Militar do Iguassu, com área de mil e oito (1.008) hectares, a margem direita do Rio Iguassú, junto aos Saltos de Santa Maria, revogadas as disposições em contrário”. (Palácio da Presidência do Estado do Paraná, em 28 de julho de 1916: 28º da República. Assinem o Decreto, Affonso Alves de Camargo (Presidente) e Caetano Munhoz da Rocha (Vice-Presidente).

 

Esse acontecimento é um marco na história de Foz, pois foi graças a Santos Dumont que hoje podemos apreciar de perto a beleza exuberante das Cataratas do Iguaçu, uma das Sete Novas Maravilhas da Natureza.

 

Mas até 2009 ainda existiam dúvidas quanto à visita de Santos Dumont a Curitiba para falar com o presidente do estado. Isso porque o Plano de Manejo do Parque Nacional do Iguaçu, publicado em 1979, afirmava que, embora fosse certo que o “Pai da Aviação” tenha visitado Foz do Iguaçu, lançava dúvidas quanto a sua ida a Curitiba.

 

Assim a passagem de Dumont pelo Paraná foi comprovada graças a uma foto exclusiva que a equipe da 100 Fronteiras conseguiu em 2009. A foto estava em posse da família de Affonso Camargo e foi disponibilizada, via Sedex, pelo neto do presidente do estado, o ex-deputado federal Affonso Neto. Na época, ele agradeceu à revista por falar sobre esse fato. “Que bom que vocês lembraram de escrever sobre meu avô”.

 

Além da fotografia que mostra Santos Dumont ao lado do presidente do estado no estádio do Atlético Paranaense, o jornalista responsável pela matéria publicada na 100 Fronteiras, Jackson Lima, foi até a biblioteca pública de Curitiba à procura de materiais que comprovassem a história. Também foi à biblioteca de Posadas, na Argentina, e em Foz falou com diversos pioneiros.

 

Hoje, graças ao empenho, pesquisa e dedicação da equipe, podemos afirmar com toda a certeza que Santos Dumont visitou, sim, o presidente do estado da época e conseguiu que as terras fossem desapropriadas. Esse fato também foi contado pela redação do jornal O Estadão, de São Paulo, e você o acompanha na íntegra nas páginas a seguir.

 

O ‘pai’ das cataratas

CAVALGADA NO SUL AJUDOU A CRIAR PARQUE DO IGUAÇU

 

Por: Luciana Garbin (Especial Santos Dumont/Estadão Conteúdo)

Fotos: Reprodução

 

Um dos feitos mais importantes de Santos-Dumont para o País é completamente desconhecido da maioria dos brasileiros. Em 1916, após visitar Estados Unidos, Chile e Argentina, o inventor foi às Cataratas do Iguaçu. Do lado argentino cruzou para o lado brasileiro e, ao ser informado de que as cataratas eram propriedade particular do uruguaio Jesus Val, resolveu ir a Curitiba propor ao então presidente do Paraná a desapropriação da área e a criação de um parque. Como não havia estrada em mais da metade do caminho, foi a cavalo até Guarapuava. Saiu de Foz do Iguaçu e enfrentou mais de 300 quilômetros pela mata virgem, seguindo pelo aceiro que protegia a linha aberta pela Comissão Telegráfica General Bormann, do Exército, acompanhado de um soldado e do encarregado de manutenção da linha.

 

Segundo Mário Rangel, um dos maiores especialistas no assunto, o inventor encarou o desconforto de subir e descer morros, atravessou área indígena, cruzou pântanos, riachos e pontes precárias.

 

A chamada Cavalgada Patriótica durou seis dias e continuou de carro e trem até Curitiba, onde em 8 de maio, uma segunda-feira, foi recebido pelo então presidente do Estado, Affonso Alves de Camargo, e o convenceu a desapropriar as terras ao lado das cataratas, o que foi feito menos de 80 dias depois pelo Decreto 653, de 28 de julho de 1916. Da capital paranaense, o aviador viajou de trem para Paranaguá. Em cada cidade aonde chegava, uma multidão o aguardava. De volta a São Paulo, falou sobre a viagem na entrevista Conversando com Santos Dumont, publicada na página 2 do Estado em 11 de maio de 1916.

 

“Chegando ao Salto do Iguassú fiquei, positivamente, maravilhado (...) Imagine uma immensa quéda d’água offerecendo o maiz bizarro pittoresco deste mundo: cachoeiras numerosas e variadíssimas, ilhas espalhadas por alli, a vegetação e uma infinidade de aspectos belissimos. O Iguassú, sem exaggero nenhum, é uma maravilha. Maior, muito maior que o Niagara. O Niagara é uma formidavel quéda d’água – mais nada. Não tem o lindo pittoresco do Iguassú. Poder-se-ia dizer que ha um Niagara saxonio nos Estados Unidos e um Niagara latino aqui no sul da America...”

 

Cem anos da desapropriação das terras em torno das Cataratas

Santos Dumont em Curitiba

 

Mais adiante, Santos-Dumont volta a dizer que está “enthusiasmado” com a descoberta. “Pretendo mesmo escrever um livro sobre o Iguassú, e livro com muitas gravuras. Quando passei por Curityba, fui falar com o presidente do Estado sómente sobre o Iguassú: pedir-lhe que se interesse pelo salto, e torne mais fácil e commoda a excursão. Imagine que não existe nem hotel por aquellas paragens. Existe, com o nome de hotel, uma casinha, com dois quartos e uma sala, apenas...”

 

A casinha a que se referiu era o Hotel Brasil, filial do hotel de mesmo nome que funcionava na Vila Iguaçu, onde ocupou o quarto número 2. Os dois hotéis eram construções simples, de madeira, construídos por Frederico Engel. Por muitos anos, elas hospedaram apenas os poucos visitantes com disposição para enfrentar mais de seis horas no percurso entre a cidade e as cataratas. Depois de uma churrascada em sua homenagem no dia 24 de abril de 1916, Santos-Dumont seguiu a cavalo para os então Saltos de Santa Maria com o anfitrião e Frederico Engel Filho. Voltou na tarde do dia 26, a tempo de assistir ao baile, também em sua homenagem, animado pela banda de música A Furiosa.

 

Cem anos da desapropriação das terras em torno das Cataratas

Hotel onde Santos Dumont ficou hospedado

 

Filha de Frederico, Elfrida Engel Nunes Rios contou nos anos 1970 que o aviador se limitou a apreciar a animada sociedade que dançava em sua homenagem. “Ele permaneceu a maior parte do tempo parado em uma porta perto do piano do salão do hotel. Seu traje era um culote, uma simples túnica cáqui e polainas marrom, sem deixar seu clássico colarinho alto. Suportou delicadamente a festa até as quatro da madrugada do dia 27, quando se despediu cortesmente de todos e seguiu sua viagem até Guarapuava. Fez esta viagem sem medir sacrifício, 74 léguas. Acompanhou a linha telegráfica, naquele tempo ainda não tínhamos estrada”, relatou Elfrida, em texto enviado em 1973 a um concurso de documentos históricos de Santos-Dumont, com o qual conquistou o terceiro lugar. Além de narrar detalhes sobre essa passagem quase desconhecida da vida do pai da aviação, ela apresentou cópia de uma página de março de 1916 do livro de registro de hóspedes do Hotel Brasil.

 

Elfrida ainda revelou que o inventor quase matou de preocupação seu pai e outros guias no primeiro passeio que fizeram pela região. Era tempo de enchentes e as águas desciam violentamente pelos barrancos arrancando árvores pelo caminho. Uma enorme tora ficara presa sobre o precipício de um local conhecido como Salto Floriano. E foi justamente para lá que Santos-Dumont se dirigiu. Ficou na ponta do tronco, “de braços cruzados, imóvel, extasiado contemplando a maravilhosa Garganta do Diabo, sem medir consequências nem se importando com o tempo”. “Meu pai, conhecendo o imenso perigo, não ousava dizer uma só palavra com temor de que se voltasse e escorregasse, caindo no precipício.”

 

Quando Santos-Dumont retornou à terra firme, Frederico expressou seu desespero pela imprudência. Elfrida conta no texto que o aviador “bateu amigavelmente” no ombro de seu pai, procurando acalmá-lo: “As alturas não me perturbam, não se preocupe”. Em seguida, avisou: “Posso dizer-lhe que essa maravilha não pode continuar particular. Eu vou a Curitiba falar com o presidente para providenciar imediatamente a expropriação das cataratas”.

 

O Parque Nacional do Iguaçu só seria criado em 19 de janeiro de 1939, por decreto do então presidente da República Getúlio Vargas. Quarenta anos depois, por iniciativa de Elfrida, foi erigida uma estátua de Santos-Dumont em tamanho natural a cem metros das quedas. É até hoje um ponto disputado para retratos e selfies. Em 17 de novembro de 1986, as Cataratas do Iguaçu receberam da Unesco o título de Patrimônio Natural da Humanidade. No ano passado, 1,5 milhão de turistas visitaram Foz do Iguaçu e o município aparece em relatório de 2013 do Ministério do Turismo como o terceiro entre os dez mais visitados a lazer do Brasil – só perde para Rio e Florianópolis.

 

E por que essa história ainda permanece desconhecida da maioria dos brasileiros? Mário Rangel dá sua opinião: “Quando Santos Dumont fez a Cavalgada Patriótica Paranaense e foi a cavalo por um aceiro de linha telegráfica e telefônica na mata virgem, durante seis dias e centenas de quilômetros, dormindo mal, comendo mal, fazendo suas necessidades em condições vergonhosas, com os pés inchados e desviando das cascavéis que tomavam sol em seu caminho, a notícia foi publicada, com fotos no Paraná, e ele foi altamente festejado por onde passou”, lembra. “Esse noticiário local não chegou, todavia, a outros lugares, e só recentemente foi tratado em livros brasileiros, graças ao Concurso de Documentos Históricos de Santos-Dumont e à senhora Elfrida Engel Nunes Rios. O Estado de S. Paulo publicou notícia sem fotos quando ele chegou na estação ferroviária. Cabe a esse mesmo jornal, agora, dar destaque a esse tema e esclarecer que ele estava em plena saúde e não doente como dizem muitas biografias.”

 

Leia também

Façamos realiza o primeiro Café contra corrupção

Façamos realiza o primeiro Café contra corrupção
Fotos: Hidalgo Gomes   Querer ter uma Foz do Iguaçu que compartilhe experiências e visões de mundo, que potencialize uma rede de relacionamento e que almeje uma sociedade crítica e atuante, incentivando boas práticas e trabalhando com estratégias que respaldem as pessoas é o que fez um...